sexta-feira, 17 de outubro de 2008

o eterno deus mu-dança



Desenho de Tulipa Ruiz

Nunca faz o mesmo caminho. Cada dia decide de maneira diferente o seu destino. Por vezes, sente uma sensação esquisita: "acho que já pensei isso antes." Mas a repetição não é o suficiente para se convencer.

Tem estado solitária. Reclama, acha que tem algo errado. Mas, no fundo, sabe que escolheu, preferiu que as coisas fossem dessa maneira.

Às vezes sente-se egoísta. Por dias acorda carente, angustiada. Depois que passa, vira para o outro lado e volta a dormir.

Assobia leve pela rua, canta alto ouvindo música, faz caras e bocas, dança sozinha no parque. Parece não se importar mais como antes.

De repente, se entristece. Trovoa tanto, que faz dúvida. Como perdeu tão rapidamente a leveza do assobio do fim da tarde?

O que será que a aflige?

Parece ser alguém que sempre soube onde moravam os problemas. Talvez seja esse o problema.

Me contou que hoje já não diferencia problema, de solução.

4 comentários:

Mariana disse...

Já tem um certo tempo que eu venho lendo "as meninas de lá". Gosto muito de achar blogs bons assim, com textos interessantes e, principalmente, com ótimos autores. Tenho quinze anos e venho sempre aqui. Sempre releio textos quando não tem novos, e sempre gosto do que leio/releio. Só queria dizer que vocês todas estão de parabéns, continuem escrevendo assim, dessa forma tão leve e gostosa de ler.

Mariana :)

Nana disse...

Oh Mariana, que comentário mais gostoso! Obrigada pelas visitas!
Beijão procê

marcela dantés disse...

esse é o problema de carregar o mundo nas costas.

palavrasdehoje disse...

E a morena dos olhos de jabuticada, narizinho mais lindo e bundinha (ah, a bundinha!) sempre me surpreendendo.

E digo mais, e isso Geó, esse deve ser o caminho. Living is easy with eyes closed.