quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Amarela de portas brancas

Nos meus sonhos, imaginava uma casinha amarela com varanda e quintal. Sonhava com cachorros correndo pela rua e voltando para tomar água e dormir no tapete em frente à porta. Sonhava também com pimenteiras na janela e uma mesa enorme de madeira para se passar horas e horas falando besteira na cozinha, enquanto se toma a última garrafa de vinho em copos de requeijão (Porque não teríamos ainda taças de vinho, pois o dinheiro estava sendo contado para comprarmos uma panela de pressão, sem mesmo saber o que faríamos direito com uma panela de pressão). Sonhava com um chão de madeira em que pudesse me sentar quando o calor fosse tanto que nem se suportaria um sofá com almofadas. Sonhava com paredes brancas, com uma amarelinha no meio da rua, com um banheiro com banheira. Sonhava com o silêncio ao abrir a porta depois de um dia de trabalho e sonhava com o barulho da porta se abrindo enquanto eu lia no sofá. Sonhava com o susto que levaria ao sair do banho de toalha e simplesmente encontrá-lo no quarto dobrando a malha quentinha que usara no caminho até em casa. Sonhava com o dia que chegaria em casa correndo após a dureza de uma segunda faculdade e o cheirinho do jantar chegaria até o portão. Sonhava com as broncas que ele me daria por não saber organizar meus papéis, minhas roupas, meus horários, minhas contas. Sonhava com as broncas que daria por ele nunca chegar no horário, por nunca esquecer uma conta, por nunca desistir de me fazer cafunés (por que sim, eu odeio cafunés, mas odeio mais quando ele não insiste em fazê-los). Sonhava com a felicidade em forma de pote de sorvete com sucrilhos e duas colheres e uma fileira de yakults na porta da geladeira, seguida pela pergunta previsível, mas adorada: "Mais um, abóra?"

Meus olhos alagam e meu peito estufa quando penso que os sonhos não são mais só sonhos. Que uma casinha amarela com varanda e portas brancas me espera pra dormir.

7 comentários:

Maricota disse...

Meninas, o blog é http://mnavaranda.blogspot.com/

Na verdade, ainda não escrevo bem (como vocês), mas gosto disso. Gosto desse jeito doce de contar as coisas, de imaginar a vida. E um dia eu ainda chego lá :)

Ah, o texto está lindo lindo!

Beijos, Meninas :)

Georgia disse...

jooooooooooo!!!
que lindo!!
amiga,parabéns,parabéns e parabéns!
você merece. isso e muito mais.
um beijo cheio de saudades e orgulho das minhas meninas de lá!

Mari disse...

Adoro o blog de vcs ! Toda semana dou uma passada por aqui !
Também sonho com a Casinha Amarela!!
Sucesso

Nana disse...

Que a sua casinha, amiga querida, seja como aquela na Marambaia que imagino ainda mais bonita quando é a Teresa Salgueiro quem a descreve. Que tenha uma trepadeira que na primavera fique toda florescida de brinco de princesa. E que lá nessa casa amarela de portas brancas o sabiá cante uma linda melodia pra alegrar seus corações, todos os dias.

poesia potiguar disse...

A menina de bochechas coradas, que invandiu a sala de pijamas, esfregando os olhos, ainda com sono, cresceu...

E agora tem uma casinha, com a cara dela, pintada com a cor do sol...

E eu não caibo em mim de felicidade por ter acompanhado, mesmo que um pouco de longe, esse caminho da menina de bochechas coradas até do seu próprio portão.

A mesma menina que - numa galáxia muito distante - ficou um tempão tentando limpar o chão da minha cozinha, repleto de Ovomaltine...

No fundo, a passagem do tempo pode ser doce... Como uma cozinha tomada por achocolatado. E como a lembrança da menina de pijamas e bochechas rosadas.

Um beijo, querida Jô...

Joana disse...

Amo! tantas palavrinhas doces, tanta torcida, tanto amor...obrigada, amigas-poemas!

Maricota e Mari, é uma delícia ter vocês acompanhando nosso blog e, de certa forma, nossa vida! Venham sempre, comentem sempre...

Anônimo disse...

Jo, sonhar é sempre bom quando possuimos tal realidade.A tua casa amarela é o sonho de um passado que anda esquecido e abandonado.Que bom que alguém ainda escreve e sonha.
Beijos

Juliana Pontes