terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

O que foi feito devera


E aqui estou, mais uma vez sob o efeito da profundidade daqueles mineiros. Um em especial, cujos olhos e a voz me fazem acreditar numa vida além. E para completar, inebriada por uma voz apimentada, que me questiona.

O que foi feito amigo
De tudo que a gente sonhou?
O que foi feito da vida?
O que foi feito do amor?

Poderíamos parar por aí.... como tantas vezes parei. Paralisei pensando, tentando encontrar para onde teria voado aquele sentimento. O que ele se tornou? Hoje já não mais. Hoje ela parece ter percebido que às vezes a única solução é carregar, guardar pra si. E despejá-lo aos poucos, mesmo que não para seu objeto original.

Um pouco de paciência e a música continua, explicando melhor do que qualquer frase que poderia ser escrita.

Falo assim sem saudade,
falo assim por saber
Se muito vale o já feito,
mas vale o que será
Mas vale o que será
E o que foi feito é preciso
conhecer para melhor prosseguir

Nenhuma experiência é em vão, mas ás vezes a gente só percebe naquele pequeno momento de lucidez, depois de toda a angústia, do desespero de querer que as coisas passem logo. E desde quando dá para saborear alguma coisa sem sentir, no devagar de ir longe....

Ai. Queria poder pedir ajuda aos deuses, ter certeza de que tudo vai dar certo.
Mas a vida não teria graça se fosse feita de certezas....

Falo assim sem tristeza,
falo por acreditar
Que é cobrando o que fomos
que nós iremos crescer
Nós iremos crescer,
outros outubros virão
Outras manhãs,
plenas de sol e de luz

2 comentários:

Nana disse...

Ahhh bonita! A doce menina dos cachinhos.

Ana disse...

Os deuses sempre fazem tudo dar certo. Às vezes nós é que enxergamos meio torto.
A vida é uma aquarela, Geózita querida!