segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Futuro


Não gosto de planejar o futuro. Me irrita na segunda-feira já programar o sábado, feriados então...apenas nas exceções decido antes meu rumo, quando existe extrema necessidade. De manhã quero cinema e quando chega à noite quero só um banho quente e cama. Hoje quero verde, amanhã amarelo, rosa ou até cinza com laranja. Isso, ao mesmo tempo, é bom e ruim. Ter dúvida sobre tudo é pura insegurança.
Sábado passado, assistindo à peça Aldeotas lá no Tucarena, eu ouvi o encantador Levi, um dos personagens principais e morador da imaginária Coti das Fuças, dizer que “as dúvidas nós que conquistamos” e fiquei pensando, pensando e não é que concordei com ele? Concordei porque ultimamente eu só tenho dúvidas, até das próprias certezas. Se o que é certo é certo por que duvidar? Cheguei numa conclusão: parece que as dúvidas vêm do medo do futuro e daquilo que ele reserva para nós.
No Aurélio, o dicionário, diz que futuro, entre outras denominações, é “o tempo que há de vir. Sorte futura; destino. Que há de ser. Que está por vir ou acontecer; vindouro, venturo...”. E é aí que a coisa pega: temos medo daquilo que está por vir e muitas vezes paramos no meio do caminho já com receio do sofrimento ou mesmo da alegria.
Que bom seria se a gente soubesse logo o destino, que chegasse rápido no futuro pra saber se aquilo vai doer ou não. Só assim o medo não existiria. Ou se existisse, poderíamos saber a causa e, para não acontecer, correríamos para debaixo da cama ou pro colinho da mamãe. Mas se fosse assim a vida não teria tanta graça, teria? Acho que não...
O mais legal é poder dar de cara com as surpresas, as boas e as ruins. Pois é só assim que a gente ama, erra, aprende, abraça, perdoa, ri, chora, canta, dança, e o mais importante, é só assim que a gente vive.
Pois vou fechar os olhos e viver, sem pensar no que há de ser. Venha o que vier! Afinal, o futuro, como bem disse Toquinho em Aquarela, “...é uma astronave que tentamos pilotar. Não tem tempo nem piedade, nem tem hora de chegar. Sem pedir licença muda nossa vida e depois convida a rir ou chorar. Nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá. O fim dela ninguém sabe bem ao certo onde vai dar. Vamos todos numa linda passarela de uma aquarela que um dia enfim...Descolorirá....”.

2 comentários:

Jobas disse...

Ei, amiga-gêmea, adorei o post! E retomo aqui a nossa conclusão de mais cedo: como somos ridículas, não??? hahahahahaha

(Ps: escrevi um comentário antes, mas consegui excluí-lo, sei lá como!!!)

Nana disse...

amiga, lindo! me identifiquei mto mesmo com seu post. e o final! lembrei daquele e-mail fofo q vc me mandou, qd começou essa reviravolta em mi vida.
te amo