quarta-feira, 23 de abril de 2008

Homenagem à Gabriela

Pra mim é vermelho. Mas o nome é Gabriela. Com as unhas pintadas, me sinto mesmo um pouco Gabriela. Quero conhecer Gabriela. É cravo, é canela, é poema. Fico imaginando como deve ser a mulher que deu nome à cor das minhas unhas. A cor de seus cabelos, da sua pele, de seus olhos, o seu jeito de andar, o que faz para viver. Imagino seus pés, com unhas pintadas de vermelho, ou será Gabriela? Em uma plataforma, suas pernas compridas cobertas apenas pela mini-saia jeans. Camiseta branca contrastando com e pele negra, cabelos castanhos compridos e soltos. Gabriela deve ser atendente de telemarketing ou recepcionista de loja de shopping. Gabriela faz musculação nas horas vagas e supermercado aos fins-de-semana. Gabriela mora em uma casa de três cômodos junto à filha. Gabriela tem um fusca branco e não usa celular. Nas noites de sábado, Gabriela deixa Ana com a avó e vai curtir as noites de funk no morro. Volta de manhã, descalça, desacompanhada, para levar Ana à praia. Gabriela vai às segundas ao terreiro de mãe Vilma, pedir proteção aos Orixás. Às segundas, Gabriela chora baixo antes de dormir.Não conheço Gabriela, mas imagino que Gabriela seja assim.

5 comentários:

poesia potiguar disse...

Achei a sua Gabriela tão real que pude vê-la nitidamente, voltando do baile, descalça...

Adorei.

Nana disse...

gabriela, gabriela, gabriela!

Confissões de uma balzaquiana... disse...

Delícia de Gabriela!
Forte Gabriela. Viva. Emoção pura!
Beijos.

Beatriz Berbert disse...

Sabe, sempre passo horas lendo blogs na internet. Adorei o blog de vocês.
Amei a ideia.
Foi o melhor que eu já li em toda vida.
gostaria de manter contato, mas nao tenho blog.
deixo, entao, meu e-mail certo?
um beijao para todas vocês.


b. berbert
(biaberbert_@hotmail.com)

Marina Morena disse...

Ela é puro êxtase!
Adorei, Jobs.
Bjs